Feira do Queijo de Penalva do Castelo: A Importância do Queijo e dos produtos da região

Realizou-se no dia 8 e 9 de Fevereiro a Feira do Pastor e do Queijo em Penalva do Castelo.

A feira que foi a primeira do ano de 2020, abriu a panóplia de eventos dedicados ao queijo e aos produtos endógenos, que têm lugar nos vários concelhos que integram a região demarcada de produção deste tão saboroso e genuíno produto.

A animação musical no dia 8 contou com José Malhoa e Artur & Márcia. No dia 9, esteve presente o aclamado programa “Somos Portugal” da TVI.

O evento contou ainda com atuações de grupos do concelho, exposições de artesanato, animação de rua, e claro as provas de queijo.

Mas na génese da festa estiveram essencialmente “os pastores e produtores de queijo”, como referiu o Presidente da Camara de Penalva, Francisco Carvalho.

O maisbeiras.com esteve presente no evento, e questionamos também o presidente da Câmara sobre alguns aspetos importantes acerca da temática envolvente. 

À semelhança de outros anos, o certame valoriza também a “promoção turística do território, dando também a conhecer os outros produtos endógenos produzidos neste concelho como a maça bravo de Esmolfe e o Vinho do Dão de Penalva do Castelo, constituindo estes produtos a trilogia de excelência do nosso concelho”, refere o Presidente da Camara, Francisco Carvalho.

Em Penalva, “ainda existem muitos agricultores que produzem queijo em pequena escala destinando o consumo deste para a família e alguns amigos. Depois existem aqueles que fazem da pastorícia o seu meio de vida e já apostaram na legalização das suas unidades de produção. Assim temos duas queijarias licenciadas e mais duas certificadas” afirma Francisco Carvalho.

Relativamente aos apoios, o Presidente de Penalva refere que o Estado deveria apoiar a certificação das queijarias com meios técnicos, através da Direção Regional da Agricultura, uma vez que os agricultores não estão preparados para enfrentar processos burocráticos e com apoios financeiros, uma que se tratam de pessoas que utilizaram a pastorícia como um meio de subsistência, não possuindo recursos económicos que lhes permita construir a sua queijaria.

Segundo o Presidente, a autarquia apoia a produção do queijo essencialmente na promoção, uma vez que leva o queijo Serra da Estrela de Penalva do Castelo, a diversos certames pagando o produto aos Queijeiros e divulgando-o com os funcionários da autarquia.

Francisco Lopes de Carvalho refere ainda que a Autarquia faz uma aposta clara na promoção dos produtos endógenos e do seu território dando-lhe bastante visibilidade apesar dos diminutos apoios dos fundos comunitários e do Estado para este tipo de eventos

Segundo as declarações, neste momento a camara de Penalva está também a criar um regulamento para atribuir um subsídio por cada cabeça de gado que os mesmos possuam.

Em Penalva do Castelo, “a principal atividade dos habitantes do nosso concelho, ainda é agricultura, havendo uma parte em que a economia familiar provém da agricultura ou funcionando a mesma como um complemento” afirma Francisco Lopes de Carvalho.

No futuro e uma vez que a indústria escasseia no território o Presidente não esconde a forte aposta no Enoturismo como principal foco para a fixação dos jovens no território, e desenvolvimento turístico e económico da região.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *